Importante!

Este blog não tem propósito de indicar tratamentos para substituir cuidados médicos e medicamentos.Em caso de doença procure um médico e faça o tratamento corretamente.As dicas aqui descritas servem como terapia complementar e preventiva.




quarta-feira, 13 de julho de 2011

Você já “engoliu” algum sapo, sapinho ou sapão, hoje?




Quem já não engoliu sapos?
Ficar contrariado; ser alvo de insultos, injustiças, contrariedades sem oportunidade de reagir ou revidar, acumulando ressentimento, raiva, mágoa. Quantas vezes durante nossa vida ouvimos comentários que nos magoam, enraivecem, entristecem.

Às vezes, estamos passando por momentos de grande suscetibilidade, fragilidade e sentimo-nos atacados e surpresos não revidamos, não respondemos da forma que a questão merece e nos culpamos pela inação. Ou mesmo pelo estado emocional que nos encontramos super avaliamos o acontecido, e nossa compreensão dos fatos nos leva a sentirmos penalizados, vitimados.

No trabalho, ou em nossas famílias, muitas vezes calamos para acontecimentos e palavras cruéis que ouvimos injustamente. Sentimo-nos traumatizados, engolimos o que necessitávamos responder, engolimos nossas reações. Simplesmente, calamos.

O ato de engolir de deglutir define-se pela passagem do alimento da boca ao estomago que nos leva a duas correlações de significância a de engolir no sentido de passar (fluir, seguir) e digerir, aceitar (processar, entender e absorver). O ato de digerir tem como objetivo básico, a alimentação no sentido de criar vida, seria muito bom se conseguíssemos tirar proveito da situação em benefício próprio através do processamento dos fatos promovendo crescimento interior, para isto precisamos nos trabalhar.

Esse calar em que circunstância ocorrer, as palavras não ditas, a não verbalização de nossos sentimentos produz efeitos no nosso emocional e bloqueios, geralmente somatizamos que podem se materializamos em vários problemas: na tireóide (afetando o metabolismo), pressão arterial (alta ou baixa), gástricos (gastrites, úlceras, hérnias de hiato) e na vesícula biliar (cálculos biliares). A nível emocional, temos: depressão, dificuldade de defender seus interesses, desistência, raiva internalizada, mágoa, ressentimento, culpa, algumas pessoas ficam ruminando pensamentos com respostas que poderiam ser dadas, o que provoca geralmente insônia, quem já não acordou a noite e ficou pensando no que deveria ter feito? Nos fatos ococorridos durante o dia?

As reações emocionais e consequências físicas decorrem de como vivenciamos o cotidiano e da forma que o interpretamos.

O melhor remédio para uma pessoa que se encontra nesta situação de não conseguir se expressar adequadamente é procurar fazer terapias e atividades que possam externalizar o que sentem e trabalhar as dificuldades que se apresentam. Indicamos a Terapia Floral onde o indivíduo verbalizará suas queixas e receberá a prescrição do remédio floral adequado a fim de trabalhar o probema em na origem, suas causas e respectivas emoções (raiva, culpa, ciúme, apatia, depressão, estresse, angústia, tristeza, ressentimento, insônia, pensamento negativo) e fazer também uma atividade física como aula de box, natação, yoga, meditação.

Assim, trabalhar as emoções que despertadas para que elas sejam transformadas. Como diz Deroide (1992), “As essências florais nos ajudam a nos tornarmos responsáveis por nossa existência. È fundamental que não nos consideremos como vítimas do nosso passado, condenados a suportar para sempre os sofrimento resultantes dos nossos condicionamentos, crenças e traumas passados. Os problemas, bloqueios e sofrimentos que vivenciamos devem ser percebidos como lições de vida que não aprendemos corretamente. Representam possibilidades que ainda não foram exploradas. As essências florais nos ajudam a nos liberar das inúmeras couraças mentais e emocionais que nos aprisionam e impedem a expressão da nossa verdadeira criatividade”.

A indigesta arte de engolir sapos (Texto adaptado – Floriano Serra)

Rapaz, pior do que engolir sapo deve ser mascar barata! Mas então por que não se fala em “mascar barata”? Ou quem sabe “lamber gambá” em vez de “lamber sabão”? Eu não sei, o fato é que o que se ouve e se fala é em “engolir sapo”.
Quem não já “engoliu sapo” na vida? Certamente devem existir gargantas e estômagos virgens, creio. Em compensação, devem existir os engolidores diários e contumazes do batráquio – já tão condicionados que não abrem mão da sua dose diária… Haja estômago!
O pior é que a coisa vem a seco, sem nem ao menos uma farofinha ou um molho de tomate – o que, aliás, não sei se melhoraria em algo a tal refeição.
Dizem os entendidos em sapologia que a origem da associação do sapo com algo nada palatável vem das Sagradas Escrituras – quem diria, hein? Contaram-me que em um determinado capítulo do livro do Êxodo, um rebelde faraó recebeu como castigo de Deus uma série de pragas, uma das quais se constituía de uma invasão de milhares de rãs – ou de sapos. Se não são a mesma coisa, são com certeza da mesma família. Segundo a narrativa, o Faraó encontraria o bicho saltitante em todos os lugares possíveis e imagináveis do seu palácio – inclusive quarto de dormir, cozinha e banheiro. Dá pra imaginar?
Portanto, desde tempos imemoriais, fez-se do sapo um bicho nojento. Diz uma teoria que “todos nascemos príncipes e somos depois transformados em sapos” – e assim se explica a divisão entre os bons e os maus. Que coisa… E olhem que, ironicamente, não me lembro de ter visto um só filme de terror em que o personagem central fosse um sapo gigante. Quase toda a fauna e a flora já foi astro ou estrela de um filme de John Carpenter, Joe Dante, Zé do Caixão e outros diretores do gênero. O sapo, não.
O “engolir sapo” é não ter o direito, o espaço, a liberdade ou a coragem de responder à altura um insulto, uma humilhação, uma acusação, uma ironia.Claro que essa impotência tem uma razão de ser óbvia: o “sapo” vem sempre do superior imediato. Ou seja: ninguém “engole sapo” enviado por um colega do mesmo peso hierárquico – e muito menos de peso menor. Donde se pode facilmente concluir que os “sapos” têm uma preferência toda especial em fazer do seu habitat natural as organizações que adotam um modelo autoritário e insensível. Que não permite o diálogo, a réplica, o esclarecimento, muito menos a argumentação.
Inclusive, na prática dessa “arte”, as coisas hoje estão cada vez mais fáceis (ou seria melhor dizer “difíceis”?) porque, graças ao avanço tecnológico sobretudo da informática, atualmente já se pode mandar (ou receber) “sapos” por e-mail! Chique, não?Mas, convenhamos: na verdade, não há nada de errado em “engolir sapos”, desde que algumas condições sejam observadas.
Por exemplo: quando seu emprego depende da sua capacidade digestiva. Aí tem que comer, amigo. E, em alguns casos, até pedir bis! Porque se trata de um caso de sobrevivência profissional.Quer ver outro exemplo? Quando você aprendeu a desenvolver anticorpos emocionais contra “sapos”. Em outras palavras: quando há um canal de comunicação livre e desimpedido entre seu ouvido direito e o esquerdo – ou vice-versa. Traduzindo: quando você deixa o “sapo” entrar por um ouvido e sair pelo outro, sem descer para o estômago – e muito menos para o coração.
Mas nem tudo está perdido: garanto-lhe que se você treinar direitinho, você vai aprender a rir dos lançadores de “sapos”. Principalmente porque eles não têm a aparência de quem está se divertindo. Pelo contrário, quase sempre parecem “enfezados”, gritam, xingam, acusam, esmurram a mesa e soltam perdigotos. Cá pra nós: sei de uma empresa em que os funcionários criaram – claro que em segredo guardado a sete chaves – o “Troféu Frog”, para “premiar” semestralmente (também em segredo) o mais habitual e notório arremessador de “sapos” contra a equipe. Não é engraçado?
Agora, falando sério: ninguém que se preze, que respeite e valorize as pessoas, ninguém que esteja acompanhando as tendências das novas relações humanas permite a criação e o arremesso de sapos em qualquer lugar que seja. Ao invés de “lançamento de sapos”, as pessoas deveriam utilizar instrumentos mais saudáveis, como as discussões construtivas, defesa e explicação lúcida dos pontos de vista contrários, das divergências e das opiniões diferentes.
Proponho que façamos uma campanha em defesa do sapo, para que eles sejam deixados em paz. Ninguém precisa ser ecologista para saber que eles têm lá sua utilidade – mas claro que, no seu “habitat” natural.
Um conselho útil para ninguém precisar mais “engolir sapos” e ir correndo chorar no banheiro: inverta a premissa psicológica que citei acima e tente transformar os “sapos” enviados em sua direção em “príncipes”. É uma alquimia simples: basta misturar bem alguns ingredientes facilmente encontrados em qualquer bom coração de qualquer esquina da vida: uma pitada de compreensão, outra de tolerância, mais uma de compaixão, um tiquinho de paciência e afeto e bom humor à vontade – ou como se diz em culinária: a gosto.

Por Rosangela Vecchi Bittar

Nenhum comentário:

Postar um comentário