Importante!

Este blog não tem propósito de indicar tratamentos para substituir cuidados médicos e medicamentos.Em caso de doença procure um médico e faça o tratamento corretamente.As dicas aqui descritas servem como terapia complementar e preventiva.




sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Sentir medo: Compreender os porquês e quandos dos medos das crianças pode ajudá-lo a fornecer redes de segurança apropriadas


"Vamos, Jamie, experimente. Vamos lá, você pode também!".

Essa conversa acontece a qualquer hora, em qualquer lugar e ocorre principalmente no jardim de infância. As crianças balançam, dançam, cantam uma música, ou até mesmo comem um novo alimento, experienciando tudo, a todo momento. Se as crianças se deparam com um desafio físico, verbal, emocional ou cognitivo, tentar algo novo na frente de um grupo pode ser uma tarefa árdua para alguns.


Aos cinco anos, as crianças se tornam mais conscientes de si mesmos como membros individuais de um grupo. Nos anos anteriores foram muito mais auto-centrada e egocêntrica. Enquanto não houvesse qualquer intervenção nociva do mundo exterior, a maioria das crianças se sentiam bem consigo mesma.


Mas aos cinco e às vezes seis anos, as crianças estão começando a fazer comparações entre elas mesmas, seus colegas de classe, e seus amigos. Sentimentos sobre fazer algo "bem ou não" estão surgindo. Medos de errar ou parecer tolo pode manter as crianças mobilizadas, impedindo-as de tentar algo que pode fazer bem.



É um momento que as crianças se deparam com sentimentos relacionados a conceitos sociais como base, ou seja, boa aparência, ser aceito, e outros. Ao ser bem sucedido nesses conceitos pode determinar atitudes de segurança, confiança. Afinal, medo do fracasso e julgando-se muito duramente pode ser incapacitante. E se as crianças se sentem sob ataque de seus sentimentos, aparência, comportamentos e crenças fica difícil manter um crescimento positivo.

Embora todos nós passarmos por fases de insegurança, tendo um "observador interno" que expressa observações com cuidado, a crítica construtiva pode oferecer um equilíbrio importante.



O Que Você Pode Fazer?


Nesta fase de desenvolvimento, o mundo tornou-se um espelho em que as crianças olham para os adultos e pessoas importantes de seu convívio e precisam ter certeza de que o que é refletido de volta é positivo e apoio.



•Analisar o modo como você olha e reagir a si mesmo.
Lembre-se, você é um modelo importante. Mesmo sutil autocrítica pode ser observado, imitado e embelezado.



•Criar um ambiente de aceitação.
Se você realmente sentir que alguém não tem que ser o melhor para ser grande ou que uma criança não tem que ser como todos os outros para ser especial, a sua atitude será nutrir e encorajar a criança.

•Celebrar as pequenas coisas. Procure os caminhos obscuros que algumas crianças brilham. Os líderes são geralmente chamativo o suficiente para obter o reconhecimento, mas os seguidores fazem grandes coisas também.



•Demonstrar e incentivar risco adequados. Mostre a criança que é importente tomar algumas atitudes e explique que erros podem acontecer como também respostas inadequadas mas o importante é a tentativa de buscar algo.



•Você sabia como andar quando você nasceu? Você aprendeu em caso de queda, escolhendo-se para cima, e tentar novamente. E assim o fez todos os outros!



•Trabalhar com desafios. Uma vez por semana, ou mais, escolha um desafio e trabalhem juntos apoiando um ao outro. Mostre como pe importante tentar algo novo.

Fonte: Behavior and Development

Nenhum comentário:

Postar um comentário