Importante!

Este blog não tem propósito de indicar tratamentos para substituir cuidados médicos e medicamentos.Em caso de doença procure um médico e faça o tratamento corretamente.As dicas aqui descritas servem como terapia complementar e preventiva.




quinta-feira, 26 de abril de 2012

Como usar textos para estimulação cognitiva?


A leitura faz parte da vida das pessoas, e o uso de textos pode ser um recurso útil e eficaz no processo de Reabilitação Cognitiva, que além ser usado durante as sessões pode ainda ensinado ao cuidador, que se treinado pode usá-lo em casa com músicas, notícias de jornais e revistas e até com orações. Abaixo estão algumas sugestões que podem ser consideradas ao usar esse recurso. 1. A ESCOLHA DO TEMA Independente do quanto estão preservadas as habilidades cognitivas do sujeito, o contato com um texto só ocorre porque existe um propósito, um interesse. Sendo assim, o texto escolhido como recurso para treino de habilidades cognitivas tem um pré-requisito: ser do interesse de quem o lerá. A avaliação dos interesses antigos e recentes do cliente será determinante, e familiares e cuidadores podem ser informantes úteis, em especial quando o cliente tem dificuldade de identificar esses temas. 2. FORMATAÇÃO DO TEXTO Após a escolha do tema, a apresentação do texto é um cuidado importante e que pode determinar a eficácia desse recurso. Uma página “limpa”, sem distratores, letras em tamanhos grandes e fontes não-serifadas, como “Arial”, favorecem compreensão e a velocidade da leitura. 3. ESTIMULAR A IDENTIFICAÇÃO DO OBJETIVO DA LEITURA Para uso do texto o objetivo da leitura é o primeiro passo a ser lembrado, por exemplo, ao oferecer uma notícia sobre o campeonato brasileiro deve-se estimular o cliente a identificar quais informações que ele deseja com aquela leitura: a posição do seu time na tabela? O resultado do último jogo? Esse objetivo pode ser lembrado durante a leitura, cabendo ao profissional fazer de forma tal que não prejudique a compreensão ou tire a atenção do cliente. 4. DESTACAR INFORMAÇÕES RELEVANTES Chamar a atenção nas partes relevantes do texto pode ajudar na compreensão e memorização da informação que está sendo buscada, o uso de marcadores e pedir que o cliente repita em voz alta, são alternativas usadas. Mesmo para aqueles que não possuem nenhum déficit de memória, a estratégia de marcar as palavras principais do texto pode ser útil. 5. RELER PARA POTENCIALIZAR A COMPREENSÃO Ler mais de uma vez também é recomendado. A primeira leitura pode objetivar identificar os pontos relevantes do texto, enquanto que na segunda vez pode-se explorar mais da compreensão, especialmente quando o cliente conta com o efeito priming da memória. Pausas durante a finalização das ideias do texto são usadas e neste momento o cliente é estimulado a verbalizar o que compreendeu até então. 6. ESTRATÉGIAS PARA POTENCIALIZAR A LEITURA Durante a leitura algumas “ferramentas” podem ser empregadas. O uso de uma régua opaca durante a leitura é útil, direcionando a atenção do cliente para o trecho do texto que está sendo lido, evitando confusões que comumente ocorrem ao término da linha. Outro facilitador quando se faz uso de letras de músicas ou orações é digitar ou escrever o texto de forma que as linhas terminem nas pausas que geralmente são dadas ao falar, por exemplo: “Pai nosso que estais no céu, Santificado seja o vosso nome, Venha a nós o vosso reino”. Esta apresentação do texto pode ajudar no reconhecimento do texto. E NOS ERROS SEMÂNTICOS? Alguns equívocos semânticos podem acontecer, sendo importante que o terapeuta acompanhe o trecho que está sendo lido. Diante desses equívocos deve-se chamar a atenção do cliente questionando-o e dando outra opção, neste caso a palavra certa, por exemplo: “novelo ou novela”? Caso o paciente não perceba o terapeuta deve dar seguimento ao texto não comprometendo a compreensão do mesmo. por Ana Leite

Nenhum comentário:

Postar um comentário