Importante!

Este blog não tem propósito de indicar tratamentos para substituir cuidados médicos e medicamentos.Em caso de doença procure um médico e faça o tratamento corretamente.As dicas aqui descritas servem como terapia complementar e preventiva.




sábado, 19 de maio de 2012

Transtorno alimentar e terapia floral

Os transtornos alimentares conhecidos são: bulimia, anorexia e transtorno de compulsão alimentar periódica do qual falaremos hoje. A compulsão alimentar enquanto comportamento alimentar observado em obesos foi descrito pela primeira vez em 1959 por Stunkard, entendendo aqui como ingestão de enormes quantidades de comida e um curto espaço de tempo seguida da sensação de desconforto físico e de autocondenação. Na década de 70 começou a pensar na compulsão alimentar como síndrome associando os comportamentos compensatórios. Em 77 passa a ser considerada: ingestão rápida, impulsiva, episódica, descontrolada de grandes quantidades de alimentos que só finda quando há o desconforto físico tal como: dor abdominal podendo ocorrer ou não vômitos induzidos e, emocionalmente culpa, desprezo por si ou remorso. Entendemos que o ato de ingerir os alimentos rapidamente e descontroladamente requer uma avaliação do caso. O fato de ingerir da forma descrita sem fome, indica necessidade de nutrição emocional denota necessidade de carinho e afeto, carência afetiva. A origem pode estar na tenra infância considerando aqui inclusive o pré-natal onde podemos ressaltar gestações indesejadas. Geralmente, tal pessoa que tenha comportamento compulsivo, a nível emocional, apresenta: depressão, baixa auto-estima, angústia, ansiedade, tristeza, culpa, raiva, carência. O alimento é a compensação para o que está faltando interiormente, a sensação de vazio a ser preenchido procura-se fora o que deveria existir dentro de si. Para auxiliar em tal situação de desequilíbrio das emoções, carência e descontrole, temos na Terapia com Essências Florais o apoio necessário para se conseguir sair da compulsão para a normalidade e assim se chegar ao peso adequado a sua estrutura física, desejo pessoal, altura e idade. Sempre devemos pensar no que nos leva ou levou a ter tal comportamento com relação à comida? Na linha do tempo quando isto começou? O que faz ter este comportamento de compulsão? Que tipos de pensamento desencadeiam tal atitude? Que sentimentos, quando despertados faz com que sinta a necessidade de comer compulsivamente? Este comportamento foi desencadeado em reação a algum acontecimento em sua vida, com relação a seu relacionamento com alguém? Sente-se amado? Tem vergonha? Pense, reflita, sem escapismos e escolha as essências que cabem no seu caso e/ou procure um profissional para fazer sua escuta e fazer a indicação mais adequada, geralmente somos incapazes de nos cuidar em momentos de crise, precisamos ser cuidados, amparados, quem não precisa de um colo? Autora: Rosângela Vecchi Bittar

Nenhum comentário:

Postar um comentário